Campanha do governo do Estado incentiva o turismo na Amazônia
setembro 14, 2017
Governo revoga decreto que extinguia a Renca
setembro 27, 2017

Prefeitura e moradores se unem contra o descarte irregular de lixo no Conjunto Satélite

Ponto crítico no Conjunto Satélite Foto: Fernando Sette

Para acabar de vez com o depósito irregular constante de lixo e entulho na entrada do Conjunto Satélite, no Coqueiro, moradores do bairro em parceria com a Prefeitura de Belém executaram uma severa intervenção em um terreno de mais de quatro mil metros quadrados que era frequentemente utilizado para descarte de materiais como madeira, podas, sobras de construções e restos de alimentos. A presença desse material atraía animais redores e servia de local propício para a proliferação de mosquitos transmissores de doenças, representando uma grave ameaça à saúde da população.

Para recuperar o terreno, a Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan) retirou todo o lixo acumulado no local e despejou mais de 20 carradas de aterro para nivelar o solo. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) destinou 500 mudas de espécies variadas para recompor a vegetação danificada pela constante presença do entulho e também pela formação do chorume (líquido contaminante proveniente da decomposição do lixo). Árvores de grande porte foram plantadas para recompor a área degradada. Ipê rosa, andiroba, mogno africano, pau preto e maracatiara já fazem parte da nova paisagem. Entre as plantas ornamentais que passarão a formar uma espécie de guarda corpo estão: espada-de-joana-a’darc, bromélias, dracena, lantana, tumbérgia, mini-ixora e dracena.

Há exatos 20 anos o terreno, que pertence à Aeronáutica, começou a ser utilizado para descarte irregular de lixo e entulho. A presidente do Centro Comunitário do Conjunto Satélite, Janete Andrade, 43 anos, conta que naquela época o entulho era descartado por cima de um muro que já nem existe mais. “Era tanta porcaria que jogavam para dentro do terreno que o muro não suportou e acabou caindo. Com o tempo, as pessoas continuaram utilizando esse espaço como se fosse um lixão a céu aberto”, lembra, indignada.

Por Lauro Lima